fdp

Lshaktidd@yahoo.co.uk
0044 7746579713
0044 1670 519987
22 Abbots Way, NE61 2LY, UK


bebe

KALINDI

Excelentíssima Presidenta da República do Brasil Sra. Dilma Vana Rousseff


Eu sou uma mãe que implora por ajuda. Por favor ajude-me.
Meu nome é Luci Vieira da Costa. Tenho 40 anos, nasci no Brasil, em Mogi das Cruzes, São Paulo. Sou Brasileira com nascionalidade Portuguesa e vivo no Reino Unido desde 2000. Seria muito importante para mim que a senhora tirasse um tempo para ler esse artigo.
No dia 13 de novembro de 2013, a Divisão de Serviço Social de North Tyneside, no norte da Inglaterra, tomou minhas duas filhas. A assistente social Alison Dodds veio à minha casa e disse para mim e minha filha de 12 anos KRISHNA que, como eu ficaria sem-teto em 5 dias, eu deveria entregar minhas filhas aos cuidados do serviço social, e que, assim que eu conseguisse uma casa nova, elas seriam devolvidas para mim. Ela disse para eu assinar um documento que chama s20 para deixar minhas crianças nos cuidados deles. Esse documento fala que o Autoridade Local ajuda com acomodação, mas nao fala nunca as palavras fostering (deixar crianças aos cuidados de estranhos) ou adoção. Também disse me que se eu nao aceitasse a ajuda dela, ela iria chamar a polícia e tiraria as crianças de mim a força. Eu encontrei uma casa duas semanas depois. No entanto, o Serviço Social nunca devolveu minhas filhas, e nunca veio ver a minha casa. Ao invés disso, foram a um tribunal para obter um pedido de ICO (Interim Care Order, Ordem de Cuidados Temporários), a qual dá ao Serviço Social o poder de levar minhas filhas para longe de mim, para serem cuidadas por estranhos.
Estou convicta de que o Serviço Social retirou minhas filhas dos meus cuidados sem qualquer justificativa ou motivo lógico. Se alguém roubasse o meu carro, o ladrão seria punido, mas quando se trata de minhas filhas, o Serviço Social parece ter o poder de fazer qualquer coisa sem ser punido pela lei. Não é só isso, mas também alienaram as minhas filhas de mim e, apesar de eu nunca ter maltratado, nunca ter sido negligente ou ter abusado minhas filhas, eles se recusam a devolvê-las. Na verdade, eles já estão querendo passar a bebê para ser adotada por outra pessoa!
Quando eles levaram a minha filha mais nova, minha bebê KALINDI, ela ainda estava sendo amamentada, por isso deve ter sido completamente estranho e estressante no primeiro mês para ela estar separada de mim. Todos os dias quando eu ia vê-la, ela chorava quando me via e durante a visita toda. E ela chorava ainda mais quando tínhamos que nos separar novamente. Claro que, ao ver a minha bebê chorar, eu também chorava muito, qual ser humano que não choraria? Esta separação me causou profunda angústia e perdi 50 kg nesse primeiro mês de separação.
No entanto, durante este período, o Serviço Social informou que era eu que estava fazendo a minha bebê chorar, e que era eu a causa da aflição dela. Mas ninguém parecia ter o bom senso de analisar estas mentiras, a farsa e a falsa pretensão que eles estavam criando contra mim. Infelizmente, no mês seguinte, minha bebê não estava chorando mais, mas também não mais sorria; o vínculo parental tinha sido quebrado pelo sistema. Claro que, a esta altura, o meu leite materno havia secado. Mas como eu poderia suportar ver a minha bebê e a forma como abusaram ela e a alienaram sem sentir nenhuma emoção? A pior parte disso foi que eu não podia nem chorar no estacionamento, no caso do Serviço Social dizer que eu era louca. Na verdade, eles pediram um exame psicológico, ao qual tive que me submeter. No entanto, o psicólogo disse que eu não estava louca. Mas mesmo assim, as assistentes social escreviam nos seus relatórios que eu sou louca. Eu fui permitida vê-la somente duas vezes por semana, uma hora cada vez, numa salinha supervisada por duas assistente social. No primeiro mês eu não pude ver a minha filha mais velha, KRISHNA, de 12 anos. Depois eu viria ela somente uma hora, uma vez por semana. KRISHNA me ama muito. Ela sempre é a melhor da classe dela, eu a ajudo com a lição de casa, pagava para ela ir a uma Escola de Ginástica e Drama, paguei por três anos. Ela pratica Artes Marciais (Kung Fu) desde 2008 e tem aulas de piano desde 2007. Ensinei-a a desenhar e estava ensinando-a sobre Java Script. Ela já aprendeu sobre HTML e CSS, e é perfeitamente capaz de criar um website estático. Parece que o Serviço Social, no momento, impede minha filha de participar de suas atividades de lazer. Minha filha é muito talentosa, como vocês podem ver em um website que nós criamos - www.krishnagouri.com. Na verdade, ela me ama muito. Como, então, é aceitável que seu advogado e sua Guardiã LAURA GRUNDY mintam e cometam perjúrio dizendo o contrário? Por que esse tribunal persiste desacatar a si próprio?

Eu sempre acreditei firmemente que o princípio da autoridade, quando alguém tem um problema, é ajudar e manter a família unida. No entanto, o Serviço Social e a vara da família do North Tyneside County e o Tribunal fizeram com que minha família ficasse dilacerada. Toda vez que eu visitava KALINDI, havia uma supervisora presente, que me intimidava e assediava, distorcendo minhas palavras em relatos ao seu superior. Quando eu li o "relatório dos pais" escrito pelo "Serviço Social de North Tyneside", divisão de Serviço Social , posso dizer com segurança que nunca tinha lido nada tão condenável na minha vida. Parecia que eu estava lendo algo que tinha sido escrito por um guarda de prisão, cuidando de um prisioneiro. Essa atitude, para mim, é maltratar e molestar, é de separação e vingança, tudo ao extremo.
Basicamente, o Serviço Social de North Tyneside está determinado a destruir todas as ligações entre eu e minhas filhas, apesar do fato de minha filha de 12 anos claramente querer ficar comigo. Infelizmente, não tenho nenhuma dúvida de que eles irão ao tribunal para testemunhar que a criança não quer mais ficar comigo, eles já fizeram isso na última audiência, em janeiro de 2014. Contudo, em seu "relatório dos pais", o que está afirmado é claramente o oposto. A manipulação contínua e a natureza ilusória deste caso podem ser vistas claramente por quem tem olhos para ver. O tribunal de proteção à criança é, obviamente, nada mais que uma capa, para o que só poderia ser descrito como uma caça às bruxas e, até mesmo, uma falsa prisão de uma criança, por parte do Estado, para atender às finalidades do Estado. O tribunal de família, para mim, tem sido nada mais do que um artifício, um sistema projetado para me separar das minhas filhas, embora, como já mencionei anteriormente, não tem motivo justificado para fazê-lo. Isto é feito de forma deliberada e maliciosa. No entanto, esperam que eu coopere com isso.
Na última audiência, em 31/01/14, eu entreguei uma carta para o juiz que foi lida pela minha advogada a todos que estavam no tribunal e também para o juiz. Ela focou na Lei da Criança 1989, sessão 31. Como eu nunca abusei ou negligenciei minhas filhas, o limite de tolerância não havia sido quebrado, então não havia nenhuma razão para retirar as minhas filhas de mim. Posteriormente, a advogada das crianças, que havia sido nomeada pela Guardiã LAURA GRUNDY, disse que eu faltei a uma entrevista, de modo que o limite de tolerância havia sim sido quebrado. Eu preciso perguntar, desde quando faltar a uma entrevista significa que ocorreu negligência e abuso de uma criança? Além disso, eu nunca faltei a nenhuma das visitas marcadas.
O advogado também mentiu e disse que eu não amo KRISHNA, minha filha mais velha, e também que KRISHNA não me ama e não quer voltar para casa. Com base nesta evidência fraudulenta e corrupta, o juiz concedeu uma ICO (Interim Care order - Ordem de Cuidados temporários) ao Serviço Social, com base no fato de que ele não tinha certeza se minha filha me ama ou não e que deveríamos voltar para audiência no final de maio de 2014.

Minha primeira assistência social, Joana Dean, escreveu muitos relatórios sobre mim, minhas filhas e minha casa. Em todos eles, ela diz que eu sou muito boa mãe, minha casa é limpa e minhas crianças são bem cuidadas. Os visitantes da área da saúde,Joana Pearson e Debbie smith, relataram que KA estava muito feliz e estava completamente bem sob meus cuidados. Por que isso não foi levado em consideração? Esses documentos que compreede os primeiros três meses do involvimento do Social Service, não foram nem considerados nas audiências no tribunal! Somente relatórios produzidos depois que minhas filhas foram removidas foram apresentada ao tribunal. Relatórios cheios de mentiras por Alison Dodds e outras assistentes sociais. Eu encontrei mais de 80 mentiras nesses relatórios e todos os outros seguintes também foram baseados em mentiras. Por exemplo. Um dia Joana Pearson viu me sentada do lado de fora da porta de uma laundrette, lendo uma revista, enquanto a bebê dormia no carrinho de bebê e a roupa estava sendo lavada. ALISON DODDS, a assistente social mentirosa disse, três vezes, em diferentes relatórios, que a eu estava sentada do lado de fora de uma laudrette e minha bebê estava a engatinhar numa rua perigosa! Ela também disse que 'negros e minorias étnicas são mais fracos mentalmente e fisicamente' e que minha religião (Hinduísmo) nao é aceita no Reino Unido.
De 27/03/14 até 24/06/14, o Serviço Social não me deixou ver minhas filhas.
Em junho, os Serviços Sociais, pediu ao juiz para o s34, que significa que eu nunca mais veria minhas filhas de novo e pediram um Injunction Order, que não permitiria que eu publicasse o meu caso e fotos dos minhas filhas online. Todos os pais obtém esta ordem de 'calar a boca', portanto, meus amigos estão com medo de escrever para a senhora sobre o caso deles. Os pais podem pegar dois meses ou mais de prisão se contarmos para a TV ou jornais que o Reino Unido roubou nossos filhos. O Serviço Social queria que eu pegasse essa Ordem porque eu havia publicado artigos sobre meu caso na internet.
No entanto, eu havia acabado de conhecer meu amigo James Mee. Ele, por ser Inglês e ter capacidade muito boa de expressar-se, ajudou me a escrever uma carta para o juíz Loombha. Eu dei essa carta na mão dele, antes de comecar a audiência. Essa carta explica minha situação e mostra evidência de minha inocência.

Creio que esse juíz gostou muito da carta, porque ele não deu o s34 e nem a Ordem de calar-se!! Ele também largou meu caso e passou para uma juíza superior! juiza Hodson. Escrevi 6 cartas de reclamação. Mandei-as ao juiz, para os Serviços Sociais e para a Polícia.
Agora, dia 22/08/14, fomos para Audiência Final. Meu advogado, com minha instrução e ajuda do James Mee, derrotamos todas as 5 testemunhas e a guardiã do Servico Social. Porém, como acontece muito, minha juíza foi corrupta. Mesmo apresentando muitas evidências e provando minha inocência, a juíza condenou-me!
Ela mandou que a KRISHNA fique vivendo com estranhos até os 18 anos e dia 04/09/14, ela dirá para quem minha bebê de dois anos será dada para adoção! No dia 13 de Janeiro de 2015 a juíza HUDSON decidiu dar KALINDI para uma família de criminosos, para os avós. Por favor querida presidenta, ajude-me a consiguir minhas filhas de volta.
Eu não posso viver sem elas. Elas são tudo na minha vida.
Nesse dia eu irei conversar com meu advogado para saber se eu terei razão para fazer uma Apelação.
Minha filha KRISHNA nasceu no Reino Unido, mas ela não é Inglesa, somente Brasileira. Mas minha filha de dois anos é somente Inglesa. Mas foi registrada como brasileira no ano 2014.


Jonh Hemming (Membro do Parlamento) "Assistentes sociais estão 'literalmente arrancando bebês recém-nascidos e crianças de famílias boas, estáveis e lares cheios de amor por nenhuma razão melhor do que arrecadar milhões de libras de dinheiro oferecido como um incentivo para atingir metas de adoção do governo. "

Ian Joseph http://www.forced-adoption.com
CHEGA DE CASTIGO SEM CRIME
CHEGA DE SILENCIAR OS PAIS !
VAMOS ABOLIR A ADOÇÃO FORÇADA! Dinheiro oferecido como incentivo para atingir os índices de adoção do governo.


Luci Vieira da Costa, 50 Vicarage Street
North Shields , NE20 6SJ Lshaktidd@yahoo.co.uk 07508848237, RG22035877-1
CPF 213000938-70




mogipaper




A cada 20 minutos uma criança é roubada pelos Serviços Sociais



dinossauro

Voltar pra cima ▲




5May

Protesto nas ruas de Newcastle

or um período de três meses, Joana Dean, minha assistencia social e as visitantes de Saúde Joana Pearson e Debbie Smith visitaram a mim e as minhas filhas a cada semana. Cada relatório que escreveram sobre mim e as minhas filhas foram positivas.
Elas afirmaram que eu era um mae carinhosa e competente e que as necessidades das minhas filhas eram adequadamente atendidas enquanto elas estavam sob os meus cuidados e que eu estava cuidando das minhas filhas bem e que ambas as minhas filhas eram felizes.
No entanto, KR afirmou que ela estava com medo de viver naquela casa, porque a porta não trancava. Este assunto deveria ter sido resolvido pelo proprietário, no entanto, não foi.

No dia 13 de novembro de 2013 Alison Dodds veio à noite para minha casa e disse que desde que eu ficaria sem-teto em 5 dias, que os serviços sociais cuidariam das minhas filhas até que eu encontrasse outra acomodação.
Que eu só precisaria assinar um documento para ela permitir o Serviço Social realizar isso. Este documento foi o seção 20 do Ato das Crianças no Reino Unido.
Embora inicialmente eu recusei-me assinar ele, Alison Dodds persistiu e disse que se eu não assinasse, ela obteria uma ordem do juíz e que, em seguida, a polícia iria remover à força as minhas filhas dos meus cuidados.
Não foi-me dada outra opção senão assinar, nem foi-me dada a oportunidade ou permitido qualquer aconselhamento jurídico antes de eu assininar esse documento.
Eu fui, portanto, obrigada a assinar o documento sob coação. Embora eu não percebi isso na época, era bastante óbvio que se tratava de um contrato que eu fui forçada a assinar pela minha assistencia social.

De acordo com a lei do Reino Unido, um contrato que é assinado sob coação é nula e sem efeito, uma vez que é ilegal forçar alguém a assinar um contrato que não aceitou. No entanto, o tribunal ignorou completamente este fato.
Em nenhum lugar da seção 20 diz as palavras adoção permanente e adoção temporária.
Depois excreveram em seus relatórios que eu concordei com a adoção das minhas filhas. Este documento apenas diz 'alojamento temporário'. Se eu tivesse concordado com a adoção das minhas filhas, eu não estaria lutando para recuperá-las.

Duas semanas mais tarde, consegui uma nova casa em uma nova área e embora Alison Dodds havia prometido que as minhas filhas seriam devolvidas uma vez que eu tinha resolvido a minha situação, minhas filhas nunca foram retornadas para mim, em vez disso, a Autoridade Local pediu para o juíz o ICO, quer quer dizer, 'uma ordem de cuidados iniciais'. Conseguiram isso no dia 31/01/14, oque permitiam eles legalmente cuidar das minhas filhas.

Não posso expressar a devastação e a confusão que eu senti. O que foi pior, o tribunal nunca uma vez trouxe o fato de que eu tinha uma nova casa, nem os assistentes sociais nunca vieram visitar-me.
O que ficou claro, mesmo a partir deste ponto é que os Serviços Sociais nunca tiveram a intenção de retornar minhas filhas para mim.
O que aconteceu era que Alison Dodds, embora só tivesse me encontrado algumas vezes, muito brevemente, escreveu muitos relatórios que não eram só errados mas continham muitas mentiras,contei mais de 80 mentiras.
Eu posso provar isso.
Ela também contradisse os relatórios que foram escritos apenas duas semanas antes por outros três profissionais citados acima. Não há nenhuma dúvida de que a apresentação desta informaçoes falsas e imprecisas no tribunal, foi feito apenas para justificar e garantir a remoção das minhas filhas.
No primeiro mês, eu desesperei. Minha bebê ainda estava amamentar. Pode-se imaginar o quanto ela sofreu? Ela chorava alto quando ela iria ver-me e durante o contato e chorava ainda mais alto quando teríamos que nos separar novamente.

Nós éramos autorizadas encontrar-nos somente duas vezes por semana durante uma hora cada contato, dentro de uma pequena sala, com alguns brinquedos e duas assistentes sociais supervisionando nos.
No primeiro mês, eu ainda podia amamentar ela. As vezes ela dormia no meu colo.
Foi uma tortura ver minha bebê ser emocionalmente e fisicamente ser abusada dessa maneira. Quebrou meu coração. Eu voltava da sessão de contato em pedaços, chorando no ônibus e nas ruas.
Perdi 50 kg neste primeiro mês. Meu sofrimento não tinha fim.
Em seguida, os assistentes sociais, vendo-me em completo desespero, escreveram por muito tempo que eu tinha problema mental, até mesmo depois que 2 médicos psicológicos disse que eu não tinha nenhum problema mental.
Eu não tinha permissão para chorar nem no estacionamento de carros. E escreviam em seus relatórios que eu que fazia a bebê chorar e gritar!

O Serviços Sociais e o CAFCASS têm autonomia em todo o Reino Unido e preside qualquer audiência que embarcarem. E temos apenas um juíz.
Sabemos que historicamente que ter um juiz somente, dentro de um cenário de tribunal pode causar prejuízo. Na verdade, "Hanging Judge Jeffreys", como ele veio a se tornar conhecido, era evidência de tal corrupção judicial.
Foi por isso que júris foram trazidos porque assim há muito menos chance de um erro judicial ocorrer num tribunal que é supervisionado por um júri.
A guardiã é a voz das crianças, ela deveria ser independente, ela faz parte do CAFCASS.
Mas essa mulher, Laura Grundy, visitou me e minhas filhas somente uma vez com cada criança no dezembro do ano passado, 2013.
Ela deveria ser independente, mas, ela baseia o seu relatórios sobre os relatórios de outros assistentes sociais, que são feitas de palavras torcidas e mentiras.

Nunca fui acusada de qualquer abuso contra minhas filhas, nem houve qualquer caso apresentado contra mim por qualquer forma de abuso no tribunal criminal. No entanto, apesar de todas as mentiras que foram produzidas e apresentadas no tribunal pelo Serviço Social, tudo foram ignorados pelo juízes e minhas filhas foram retiradas do meu cuidado.
Esta é a forma como os tribunais de família do Reino Unido trabalha. O que é pior é que eles usam o sigilo e a confidencialidade que operam sob uma cobertura para o perjúrio, a mentira, o engano e conspiração para perverter o curso da justiça.
Se uma pessoa inocente fala contra as mentiras dos serviços sociais aqui no Reino Unido ou tenta divulgar qualquer aspecto de seu caso, mesmo que eles acreditam ter sido injustiçado, essa pessoa pode ser presa por desacato ao tribunal.

Os documentos das três profissionais que eu disse acima, não foram colocadas no pacote dos documentos para o tribunal da Primeira Audiência.
Só foram apresentados no tribunal os documentos escritos depois que minhas filhas foram removidas de mim. Que são documentos com um monte de porcaria, mentiras e essas profissionais não foram convidadas pelos juízes para depor na Audiência Final, mesmo depois que eu pedi.

Assim, a remoção das minhas filhas foram feitos baseada em MENTIRAS. Se houvesse justificativa para isso, não haveria a necessidade de escrever mais de 80 mentiras em seu relatórios. Também não haveria necessidade de ocultar os documentos escritos pelos profissionais acima.

O juíz não quer fornecer-me a transcrição das audiências, mesmo a partir do pedido da minha própria advogada.
Eu não tenho condição de pagar por eles, pois foram mais de 20 audiências, que custa cerca de £ 10,000, que são uns 30 mil Reais.
Mas com a transcrição eu posso facilmente provar que as audiências foram uma piada pura, com base em besteiras e falsidades, que o roubo de minha bebê já estava previsto muito antes de sua remoção. Esta é a forma como os tribunais de família opera no Reino Unido.

No entanto, se as transcrições podessem ser obtidas, elas fornecerão evidência de que tudo o que eu estou dizendo nesta carta é verdade. Provar que fato, todas essas audiências foram simplesmente uma metodologia ou formalidade, a fim de justificar a remoção da minha bebê de mim para coloca-la em adoção permanente.

Eu certamente não acredito que tenha tido qualquer justiça sobre o julgamento onde a juíza, Hudson, ignorou as evidências.
Esta é a forma como os tribunais de família opera no Reino Unido.

A mulher que veio em casa de noite e roubou minhas duas filhas.

fdp

TV Record



KALINDI DA COSTA





Ajudem-me




KRISHNA GOURI DA COSTA


Gouri







Voltar pra cima ▲